Lindos textos sobre as alegrias e desafios de ser mãe. Prepare-se para muita emoção!

1. Mães ou Doutoras na Arte de Amar?

“Não se preocupe em não dar aos seus filhos o melhor de tudo…
Dê a eles o seu melhor.”

Certo dia, uma mulher chamada Anne foi renovar a sua carteira de motorista.

Quando lhe perguntaram qual era a sua profissão, ela hesitou. Não sabia bem como se classificar.

O funcionário insistiu: “o que eu pergunto é se tem um trabalho.”

“Claro que tenho um trabalho”, exclamou Anne. “Sou mãe.”

“Nós não consideramos isso um trabalho. Vou colocar dona de casa”, disse o funcionário friamente.

Uma amiga sua, chamada Marta soube do ocorrido e ficou pensando a respeito por algum tempo.

Num determinado dia, ela se encontrou numa situação idêntica. A pessoa que a atendeu era uma funcionária de carreira, segura, eficiente.

O formulário parecia enorme, interminável.

A primeira pergunta foi: “qual é a sua ocupação?”

Marta pensou um pouco e sem saber bem como, respondeu:

“Sou doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas.”

A funcionária fez uma pausa e Marta precisou repetir pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.

Depois de ter anotado tudo, a jovem ousou indagar;

“Posso perguntar, o que é que a senhora faz exatamente?”

Sem qualquer traço de agitação na voz, com muita calma, Marta explicou: “Desenvolvo um programa à longo prazo, dentro e fora de casa.”

Pensando na sua família, ela continuou: “sou responsável por uma equipe e já recebi quatro projetos. Trabalho em regime de dedicação exclusiva. O grau de exigência é de 14 horas por dia, às vezes até 24 horas.”

À medida que ia descrevendo suas responsabilidades, Marta notou o crescente tom de respeito na voz da funcionária, que preencheu todo o formulário com os dados fornecidos.

Quando voltou para casa, Marta foi recebida por sua equipe: uma menina com 13 anos, outra com 7 e outra com 3.

Subindo ao andar de cima da casa, ela pôde ouvir o seu mais novo projeto, um bebê de seis meses, testando uma nova tonalidade de voz.

Feliz, Marta tomou o bebê nos braços e pensou na glória da maternidade, com suas multiplicadas responsabilidades. E horas intermináveis de dedicação…

“Mãe, onde está meu sapato? Mãe, me ajuda a fazer a lição? Mãe, o bebê não pára de chorar. Mãe, você me busca na escola? Mãe, você vai assistir a minha dança? Mãe, você compra? Mãe…”

Sentada na cama, Marta pensou: “se ela era doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas, o que seriam as avós?”

E logo descobriu um título para elas: doutoras-senior em desenvolvimento infantil e em relações humanas.

As bisavós, doutoras executivas senior. As tias, doutoras-assistentes.

E todas as mulheres, mães, esposas, amigas e companheiras: doutoras na arte de fazer a vida melhor.

Num mundo em que se dá tanta importância aos títulos, em que se exige sempre maior especialização, na área profissional, torne-se uma especialista na arte de amar.

Autor desconhecido

textos-sobre-maes

2. Os anjos guardiões

O menino voltou-se para a mãe e perguntou:

– Os anjos existem mesmo? Eu nunca vi nenhum.

Como ela lhe afirmasse a existência deles, o pequeno disse que iria andar pelas estradas, até encontrar um anjo.

– É uma boa idéia, falou a mãe. Irei com você.

– Mas você anda muito devagar, argumentou o garoto. Você tem um pé aleijado.

A mãe insistiu que o acompanharia. Afinal, ela podia andar muito mais depressa do que ele pensava. Lá se foram. O menino saltitando e correndo e a mãe mancando, seguindo atrás. De repente, uma carruagem apareceu na estrada. Majestosa, puxada por lindos cavalos brancos. Dentro dela, uma dama linda, envolta em veludos e sedas, com plumas brancas nos cabelos escuros. As jóias eram tão brilhantes que pareciam pequenos sóis. Ele correu ao lado da carruagem e perguntou à senhora:

– Você é um anjo? Ela nem respondeu. Resmungou alguma coisa ao cocheiro que chicoteou os cavalos e a carruagem sumiu, na poeira da estrada. Os olhos e a boca do menino ficaram cheios de poeira. Ele esfregou os olhos e tossiu bastante. Então, chegou sua mãe que limpou toda a poeira, com seu avental de algodão azul.

– Ela não era um anjo, não é, mamãe?

– Com certeza, não. Mas um dia poderá se tornar um, respondeu a mãe.

Mais adiante uma jovem belíssima, em um vestido branco, encontrou o menino. Seus olhos eram estrelas azuis e ele lhe perguntou:

– Você é um anjo? Ela ergueu o pequeno em seus braços e falou feliz:

– Uma pessoa me disse ontem à noite que eu era um anjo!

Enquanto acariciava o menino e o beijava, ela viu seu namorado chegando. Mais do que depressa, colocou o garoto no chão. Tudo foi tão rápido que ele não conseguiu se firmar bem nos pés e caiu.

– Olhe como você sujou meu vestido branco, seu monstrinho! Disse ela, enquanto corria ao encontro do seu amado. O menino ficou no chão, chorando, até que chegou sua mãe e lhe enxugou as lágrimas com seu avental de algodão azul. Aquela moça, certamente, não era um anjo.

O garoto abraçou o pescoço da mãe e disse estar cansado.

– Você me carrega?

– É claro, disse a mãe. Foi para isso que eu vim.

Com o precioso fardo nos braços, a mãe foi mancando pelo caminho, cantando a música que ele mais gostava. Então o menino a abraçou com força e lhe perguntou:

– Mãe, você não é um anjo?

A mãe sorriu e falou mansinho:

– Imagine, nenhum anjo usaria um avental de algodão azul como o meu…

Anjos são todos os que na Terra se tornam guardiões dos seus amores. São mães, pais, filhos, irmãos que renunciam a si próprios, a suas vidas em benefício dos que amam. Às vezes, podem estar do nosso lado e não percebemos.

Autor Desconhecido

textos-sobre-maes

3. MÃE SÓ POR UM DIA

Sendo mãe de três lindas crianças, tenho muitas lembranças especiais para contar. Mas foi com uma criança que não era minha que vivi um momento especial pelo qual tenho muito carinho.

Recomendado pela residência para meninos onde morava, Michael veio, no último verão, para a nossa colônia de férias que reunia crianças com baixa autoestima. Aos doze anos, já passara por maus momentos. Órfão de mãe, o pai o trouxera de um país destruído pela guerra para os Estados Unidos, para que pudesse ter “uma vida melhor”. Infelizmente, fora entregue a uma tia, que o maltratara física e emocionalmente. Tornou-se um menino insubordinado e hostil, com pouca responsabilidade e acreditando que não era amado.

Na colônia, ela andava com outros garotos problemáticos e desordeiros, uma verdadeira gangue, um desafio para os supervisores. Mas nós procurávamos aceitá-los e amá-los como eram. Entendíamos que seu comportamento era um reflexo do quanto foram maltratados. Colocávamos limites com firmeza, mas afetuosamente.

Pela quinta noite da nossa experiência de uma semana, combinamos com as crianças um acampamento sob as estrelas. Michael disse que ia ser uma chatice e que não iria. Aceitei sua recusa, para não criar problema e mantivemos o programa com os outros.

Chegando a noite, a lua no céu, as crianças começaram a arrumar os sacos de dormir sobre um enorme deque perto do lago. Vi Michael se aproximando, sozinho, a cabeça baixa. Ele veio rapidamente em minha direção e, antes que falasse alguma coisa, eu disse: “Michael, vamos pegar seu saco de dormir e achar um bom lugar para você perto de seus amigos.”

“Não tenho saco de dormir”, ele falou baixinho.

“Isso não é problema! Vamos abrir umas sacolas e pegar uns cobertores!”

Imaginei ter resolvido o dilema e fui andando. Michael segurou minha blusa e me afastou do grupo.

“Anne, preciso lhe contar uma coisa.” Vi a hostilidade no rosto daquele menino endurecido se desmanchar e, baixinho, ele continuou: “Anne, tenho um problema…Eu… eu faço xixi na cama, molho o lençol todas as noites.”

Extremamente emocionada, coloquei o braço em torno do seu ombro e agradeci por ele ter tido confiança em mim. Disse que compreendia seu problema e perguntei como poderia ajudá-lo. Juntos, combinamos que ele poderia dormir sozinho em sua cabana, sem que os outros meninos percebessem.

Voltei com ele para a cabana e, no caminho, perguntei se não estava com medo de dormir sozinho. Michael me afirmou que isto não era nada perto das situações que já enfrentara nos seus doze anos de vida. Virei o colchão, protegi-o com um plástico e, enquanto colocávamos na cama seu último jogo limpo de lençóis, conversamos sobre as dificuldades por que passara e sobre seu desejo de que o futuro fosse diferente. Segurando sua mão, afirmei que ele tinha a força necessária para fazer de sua vida o melhor possível. O menino hostil e endurecido transformou-se numa criança doce e afetuosa.

Michael se deitou e eu o cobri, puxando o cobertor até o queixo. Acariciei seus cabelos e beijei sua testa. “Boa noite, Michael, fique sabendo que você é um garoto maravilhoso!”

Ele se remexeu e suspirou fundo: “Boa noite. Sabe que, desde que minha mãe morreu, ninguém tinha feito isso comigo. Obrigado por tudo.”

“De nada, querido”, respondi, abraçando-o. Eu chorava quando me virei para sair, levando três conjuntos de lençóis, sujos. Não tornei a ver Michael depois da colônia, mas rezo por ele todos os dias, desejando que aquele momento de afeto e acolhida tenham podido contribuir para sua felicidade.

textos-sobre-maes

4. Quando Deus criou as mães

Quando o bom Senhor estava criando as mães e entrava no sexto dia de hora extra, surgiu o anjo e disse:

– Estás caprichando neste daí, hein?

E o Senhor respondeu:

– Já leste as especificações técnicas deste pedido? Ela precisa ser 100% lavável, sem ser de plástico; precisa ter 180 peças flexíveis… todas elas substituíveis; precisa ser movida a café preto e sobras de comida; tem de ter um beijo que cure qualquer mal, de uma perna quebrada a uma desilusão amorosa; além de seis pares de mão. metaf20090509

O anjo balançou a cabeça lentamente e opinou:

– Seis pares de mãos? Assim não dá!

– Não são as mãos que estão me causando problemas – disse o Senhor. – São os três pares de olhos que as mães precisam ter.

– O modelo básico é assim? – indagou o anjo.

O Senhor fez que sim com a cabeça:

– Um par para ver através da porta quando ele pergunta “O que é que estão aprontando aí dentro, crianças?” quando já sabe a resposta. Outro par aqui, atrás da cabeça, para ver o que não deve mas o que precisa saber e, é claro, os dois daqui da frente, para poder olhar para o filho quando este errar e dizer “Eu compreendo e o amo” sem pronunciar uma única palavra.

– Senhor – disse o anjo, tocando a manga de sua roupa, suavemente -, precisas dormir. Amanhã…

– Não posso – reagiu o Senhor. – Estou muito próximo de criar algo muito parecido comigo. Já criei um ser que se cura quando está doente… que consegue alimentar uma família de seis com meio quilo de carne moída… e que consegue enfiar uma criança de nove anos debaixo do chuveiro.

O anjo caminhou em torno do modelo da mãe, lentamente.

– Mas é suave demais!

– Na mesma medida em que é valente – disse o Senhor, animadíssimo. – Você nem imagina o que esta mãe pode fazer ou suportar.

– Ela sabe pensar?

– Não apenas sabe pensar como, também, raciocinar e encontrar soluções conciliatórias – respondeu o Criador.

Finalmente, o anjo se curvou e passou o dedo pela face do modelo.

– Há um vazamento aqui – pronunciou. – Eu avisei que estavas tentando colocar coisas demais neste modelo.

– Mas não é um vazamento – corrigiu o Senhor. – É uma lágrima.

– E para que serve?

– Serve para a alegria, para a tristeza, o desapontamento, a dor, a solidão e o orgulho.

– O Senhor é mesmo um gênio – elogiou o anjo.

Então o Senhor mostrou-se solene:

– Mas não fui eu que a coloquei aí.

Erma Bombeck


Gostou da seleção? Deixe um comentário abaixo! Sua opinião é muito importante para nós e possibilita a edição de assuntos voltados cada vez mais para os seus interesses.

Tags:

COMENTÁRIOS

O seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios ;)

* Pergunta anti-Spam,