Ouvi o amor

Ouvi o amor

  • Não me lembro de jamais ter ouvido as palavras “eu te amo” do meu pai. Se o pai nunca diz essas palavras à criança, à medida que o tempo passa fica cada vez mais difícil dizê-las. Para falar a verdade, também não me lembrava da última vez que disse essas palavras a ele. Resolvi deixar meu ego de lado e dar o primeiro passo. No primeiro telefonema após essa decisão, hesitei um pouco e depois disse de uma vez só “Pai… eu te amo!”

    Houve um silêncio do outro lado da linha e, em seguida, a estranha resposta: “Bom, o mesmo para você”.

    Dei um risinho e disse: “Pai, você sabe que me ama e, quando puder, sabe que vai dizer o que eu quero que você diga.”

    Passados quinze minutos, minha mãe me telefonou, nervosa, perguntando: “Paul, está tudo bem?”

    Cerca de um mês depois, meu pai encerrou nossa conversa telefônica com as palavras: “Paul, eu te amo.” Eu estava no trabalho e as lágrimas desceram nesse momento em que finalmente “ouvi” o amor. Ele também chorava e senti que esse momento tinha levado nosso relacionamento a um nível diferente.

    Pouco depois desse momento especial, meu pai escapou por pouco da morte, em consequência de uma cirurgia de coração. Desde então tenho pensado muitas vezes: se eu não tivesse dado o primeiro passo e meu pai não tivesse sobrevivido à cirurgia, eu jamais teria “ouvido” o amor.

    Paul Barton
    Você não está só – Histórias de amor e coragem
    Jack Canfield, Mark Victor Hansen e Barry Spilchuck – Ediouro

    Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para melhorarmos este conteúdo? Entre em contato clicando aqui!
    Tags: