Reflexão

Diarista banca sua vida confortável com férias luxuosas: “Ninguém vai me dar nada”

A argentina Yanina Alfaro, de 44 anos, mantém uma vida de luxo e viagens trabalhando como diarista. Ela trabalha há mais de 10 anos na área, já sofreu muita discriminação pela sua profissão mas também fez muito dinheiro.

O trabalho na área da limpeza, além de alvo do preconceito de algumas pessoas, também é visto como uma tarefa pouco lucrativa mas Yanina garante que para ela a situação é diferente. Além de criar dois filhos com o dinheiro fruto do seu trabalho, ela viaja constantemente e se hospeda em hotéis luxuosos: Yanina já visitou Miami e a Disneyland nos Estados Unidos.

“Não são quatro horas de trabalho que eu faço. São 12 horas por dia, das 7h às 19h ”

A diarista tem uma rotina puxada e se esforça para entregar aos clientes um serviço de qualidade.

“Para me divertir do jeito que quero, tenho que acordar às seis da manhã, porque ninguém vai me dar nada. Acordo cedo e depois me dou uma semana no hotel mais caro de Ushuaia ”, enfatizou.

Além do dinheiro, Yanina valoriza a flexibilidade para montar sua agenda de trabalho:

“Eu gerencio meu tempo aqui. Se eu não for trabalhar não é a morte de ninguém. Se um dia eu não for limpar, nada acontece. Se eu ficar doente, nada acontece. Se eu tiver que pedir um dia, também não. Se eu quiser férias, menos. E também cobro bem ”, disse.

A mulher compartilha sua rotina no tiktok e conquistou muitos admiradores graças a sua inteligência para negócios, garra e dedicação.

“O que notei é que as meninas que limpam as casas me seguem. Elas dizem que eu ‘inspiro’. Vários me perguntaram como consegui meu primeiro emprego. Também através do TikTok consegui limpar em uma casa nova ”, contou.

Yanina decidiu compartilhar sua rotina de trabalho após as pessoas nas redes sociais não conseguirem acreditar que o trabalho de limpeza pode ser tão bem remunerado e afirmarem, de forma equivocada, que ela se divertia com subsídios estatais. Então, ela mostrou para essas pessoas como se levantava às cinco da manhã para trabalhar e todos os seus esforços.

Sobre os jovens que lhe pedem conselhos nas redes sociais, Yanina disse que eles precisam se esforçar. “Não estão psicologicamente preparados para o trabalho (…) Em Buenos Aires, sempre se pode fazer alguma coisa. Nunca me faltou trabalho. Na verdade, tenho bastante ”, encerrou.

Fonte

single.php
© 2012 - 2023 Refletir para Refletir.Todos os direitos reservados.