Reflexão

Mulher criticada por sua casa de madeira responde: “Minha casa é a coisa mais linda que pode existir”

No Equador, Ana Belén Loor, uma bela e enérgica jovem, ensinou a muitos com a sua convicção de que não se pode medir alguém por meio dos seus bens materiais. 

Ana Belén Loor, nas redes sociais, costuma publicar fotos e vídeos seus e de seus filhos, em sua própria casa. 

Porém, ao publicar uma foto, a reação das pessoas a pegou de surpresa. Na foto, aparecia uma parte de sua singela casa de madeira. Muitos criticaram o ambiente, dizendo palavras cruéis sobre o quanto a sua casa era pobre e inferior.

Diante das críticas, Ana Belén não se envergonhou. Do contrário, a bela jovem mostrou ter muito orgulho de sua humilde casa. Para ela, é o melhor lugar onde poderia estar. 

“Para quem criticou minha casinha, digo que não tenho vergonha de morar lá, porque é a coisa mais rica que pode existir” afirma Ana Belén Loor.

Todas as críticas e palavras negativas não abalaram a mulher, pois mais valioso que luxos, riquezas e bens, é ter uma casa repleta de amor e bondade. O seu espaço é um verdadeiro lar, ideal para criar os seus filhos e educá-los a esta mesma humildade. 

Além disso, a moça tem zelo e cuidado por sua singela casa, e afirma:

‘’É preciso ser pobre, mas organizado’’.

A corajosa atitude de Ana Belén em relação às palavras recebidas impressionou muitos. Hoje, ela conta com cerca de 65 mil seguidores em suas redes sociais. O seu público acompanha parte de sua rotina na educação de seus filhos, e todos apresentam grande admiração por ela.

Junto aos seus lindos filhos, Ana revela que a riqueza de um lar não é medida por bens materiais. Certamente, Ana Belén Loor desfruta de respeito, união e carinho em sua rica casa. 

Fonte


 

Autora
Débora Barros Gonçalves

Comentários

* Pergunta anti-Spam,

O seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios ;)

single.php

Mensagens do Bem

Que tal se inscrever na nossa news e receber mensagens transformadoras em primeira mão, no seu email?

© 2019 Refletir para Refletir.Todos os direitos reservados.