Reflexão

Família adota cão abandonado com transtornos mentais

Stanley é um doguinho de 6 anos com um comportamento peculiar: ele tem transtornos mentais, o que exige dos tutores paciência e uma atenção especial.

Infelizmente o cão foi abandonado pela sua primeira família em um centro de resgate, o Golden Retriever Rescue of Mid-Florida. Lá o canino aguardou até encontrar uma nova família – que o amasse e aceitasse como ele é.

Para a alegria do dog, cinco anos atrás ele finalmente ganhou um lar. A nova tutora contou como conheceu Stanley e também deu detalhes do comportamento dele na rede social Imgur:

“A primeira vez que o encontrei em seu lar adotivo, ele estava dormindo em cima da mesa da sala de jantar. Eles chamaram seu nome e ele não se mexeu, então fui até ele. Ele foi muito doce, deu muitos beijos, depois pulou da mesa e correu para a porta da frente. Tomei isso como um sinal de que ele queria vir para casa comigo, embora seja inteiramente possível que ele só quisesse fazer xixi. “ contou.

A mulher diz que Stanley é ótimo com o outro cão da família (a cadela que atende por Karma), é amigo dos gatos da casa, gentil e incrivelmente tolerante com crianças. Ele também ama abraçar.

A tutora contou que ela treinou Karma para atender aos seus comandos e a dog aprendeu com rapidez. Já Stanley foi um grande desafio:

“Depois de um ano inteiro, não mudou muito. Apesar de todo o tempo, esforço e energia que coloquei no treinamento, quando pedi a ele um comando básico, o resultado foi simplesmente um olhar vazio.”

Além de roer os objetos da casa (como a árvore de natal da família, incluindo os enfeites) Stanley também corre para a rua sempre que a porta da residência é aberta. O treinamento se mostrou necessário para a segurança do animal, então, um profissional foi contratado para ensinar o dog.

“A primeira treinadora trabalhou com ele por algumas semanas e não chegou a lugar nenhum. Ela recomendou que eu investigasse sua audição, então eu o fiz. De acordo com os resultados do teste, ele podia ouvir muito bem. Quando a informamos dos resultados, ela nos disse que ele não é ‘motivado por comida’, que é a razão pela qual ele é tão difícil de treinar. Alguns dias depois, ela ligou e disse que tinha ‘clientes mais promissores’ e não tinha tempo suficiente para Stanley. Em essência, ela desistiu. O segundo treinador tentou cerca de três meses. Em seguida, disse, com base em sua opinião profissional: ‘Acho que ele é deficiente mental’.”

Após todo o esforço, nos últimos 5 anos o doguinho só aprendeu um comando: sentar. Ele ainda não conseguiu aprender a responder ao seu nome.

Então, um teste de QI canino foi feito no dog. Ao total eram 3 desafios:

O primeiro desafio era chamar o nome do cachorro e já sabemos que Stanley ainda não aprendeu este comando.

O segundo desfio foi cobrir o cão com um cobertor – De acordo com o teste, a maioria dos cães se agitará e o arrancará rapidamente.

Step 2:

Stanley vagou sem rumo com o cobertor sobre si até sua tutora o tirar de cima dele…

O último desafio era mostrar ao cão um petisco e, enquanto ele observava, colocar um copo sobre o petisco – a maioria dos cães continuará cutucando o copo até derrubá-lo e ter acesso a guloseima.

Step 3:

Mas Stanley tem seu jeitinho de fazer as coisas. Ele apenas observou o copo.

Após o desempenho no teste de QI e o parecer de um veterinário, o doce Stanley foi diagnosticado como mentalmente deficiente.

Apesar do diagnostico, a tutora ainda tenta treinar o cão e admite que seu amigo peludo exige atenção especial de toda a família. Mas ela o acha maravilhoso e sempre o amará, não importa o que acontecer:

“Ele pode ser um pouco lento, mas suas peculiaridades, boa natureza e personalidade única nos fazem amá-lo ainda mais.” concluiu.

Fonte

Fonte2

© 2012 - 2023 Refletir para Refletir.Todos os direitos reservados.