imagem-capa.php

Jovem herói vende carro para alegrar crianças doentes como Homem-Aranha e sua história emocionante viraliza

Ricky Mena começou sua carreira de super herói de um jeito parecido com o homem aranha: ele também se sentia perdido, fracassado e não sabia o que fazer para mudar sua situação.
Ricky Mena começou sua carreira de super herói de um jeito parecido com o homem aranha: ele também se sentia perdido, fracassado e não sabia o que fazer para mudar sua situação.

Ele vivia o pior momento de sua vida financeira e não tinha onde morar. Seu quarto era o sofá de seus amigos, que generosamente se ofereceram para o ajudar.

Após meses desempregado, ele conseguiu o emprego de personal trainer em uma academia local. O salário que ele ganhava em seu novo trabalho não era suficiente para pagar o aluguel, então, ele continuava dormindo no sofá dos amigos. Todos os seus pertences cabiam em uma mochila.

“Eu gostava de ser um treinador, mas algo ainda estava faltando.” contou Ricky.

Mas o destino deste homem era heróico e um dia ele recebeu seu chamado para entrar em ação. Muito melhor do que uma aranha radioativa, Ricky acredita ter recebido sua missão pela boca de sua falecia avó, em um sonho:

“Enquanto eu mergulhava na Terra dos Sonhos, fui saudado pela minha avó (que acabara de falecer alguns meses antes). Ela colocou o braço em volta de mim e me disse que ela tinha algo para me mostrar. Ela começou a me levar em direção a uma velha escola, onde havia um projetor de filmes. O filme do Homem-Aranha caminhando em direção a um hospital infantil se projetou no céu. Ele atravessou as portas duplas do um hospital e haviam milhares de crianças deitadas na cama, ligadas a tubos hospitalares, postes de soro e mais. Ele começou a se movimentar trazendo alegria através de piadas, brinquedos e tirando fotos. Os rostos das crianças se iluminaram quando ele chegou até elas! Em confusão, olhei para minha avó e perguntei o que tudo isso tinha a ver comigo. Ela me olhou muito seriamente e disse: “Esse é você quando acordar, é o que você fará”.”

Logo após acordar, por curiosidade, Ricky buscou no Google o preço do traje de homem aranha. Antes que pudesse pensar ele já estava negociando o valor da fantasia com uma empresa especializada.

O traje custava US $ 1.400 e nosso herói vendeu o único item de valor que tinha para compra-lo: seu carro.

Mesmo com uma fantasia incrível e munido de boas intenções, os hospitais não abriram suas portas para o homem aranha facilmente. As instituições alegavam que Ricky não tinha experiencia com crianças.

Tudo mudou até esta mãe lhe dar a primeira oportunidade de fazer uma criança sorrir:

“Eu não anunciei o que eu estava fazendo nas redes sociais, mas uma cliente minha me encaminhou para o afilhado, que estava muito doente em um hospital local. O hospital disse que eu não poderia visitá-lo, mas a mãe da criança me perguntou: “Você trabalha para o hospital? Ou Deus? ”Aquela pergunta me parou e eu respondi“ Deus! ”Então isso me levou a visitar minha primeira criança, sempre colocando meu traje na minha mochila, trocando de roupa em um banheiro perto de seu quarto e correndo para o seu lado. Fiquei uma hora lá antes que a segurança gentilmente me pedisse para sair, mas a missão foi cumprida! Sua mãe me mandou fotos da visita e eu estava em lágrimas e com um sorriso no rosto. Eu sabia que deveria fazer isso o resto da minha vida. Depois disso, comecei a visitar crianças com necessidades especiais, crianças autistas, crianças sem lar, crianças adotadas e crianças deficientes.”

Ricky continua o seu trabalho heróico e fundou uma organização sem fins lucrativos, a Heart of a Hero (coração de herói). Até hoje ele já visitou quase 10.000 crianças.

Veja as fotos deste lindo trabalho:

“Enquanto eu continuava a visitar as crianças, a gravidade do que eles lutavam ficou pior e pior e antes que eu percebesse, eu estava visitando crianças terminais. A primeira que eu conheci e era terminal se chamava Charlie Derange.”

“Ele tinha 9 anos de idade e lutava contra um tumor cerebral terminal. Eu fiz mais de um punhado de visitas a Charlie e fiquei muito perto dele e de sua família. Foi insuportável ver essa doença tirar sua mobilidade, sua fala, sua infância e, por fim, sua vida. Charlie faleceu e seu funeral foi o primeiro de uma criança que eu já participei. Isso me rasgou, mas me encheu de senso de dever e eu sabia que tinha que ir até as crianças como ele. Dois dias depois de seu funeral eu estava de volta às trincheiras fazendo o trabalho de Deus.”

“Sua mãe me pediu para estar ao lado dela e é claro que eu disse sim. Passei os próximos 7 dias com Zamora até ela falecer segurando minha mão.”

“Eu não vou desistir e sou implacável em minha necessidade de compartilhar as histórias dessas crianças. Segurando as crianças enquanto elas dão seus últimos suspiros. Você nunca se sentirá mais vulnerável do que naquele momento. Em todas as outras dificuldades da vida, consegui me mexer e seguir em frente. Minha vida é deles e a jornada continua. ”

Parabéns a este grande herói, que me levou as lágrimas enquanto eu escrevia esta matéria.

O relato completo de Ricky você confere aqui (texto em inglês): aqui


Gostou? Deixe um comentário abaixo! Sua opinião é muito importante para nós e possibilita a edição de assuntos voltados cada vez mais para os seus interesses.

single.php
faça parte da nossa rede de amigos
nos sigam os bons Faça parte do Refletir:
COMENTÁRIOS (2)
  1. Tenho 56 anos estou psicólogo clínico me acho um cara durão diante da morte e do morre, para mim é normal e sem lagrimas,mas sei que não sou psicopata porque histórias como essa me leva as lagrimas sei que eu não conseguiria fazer um trabalho tão bom quanto este justamente por não ter ninha sensibilidade tão aguçado como a do nosso super-herói, parabéns!

O seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios ;)

* Pergunta anti-Spam,

single.php

Mensagens do Bem

Aqui tem!! Que tal se inscrever na nossa news e receber mensagens transformadoras em primeira mão, no seu email?

  • Sigam-me os bons!