Reflexão

5 truques para ser menos impulsivo

Como diz o ditado “não faça nada que possa se arrepender depois”. Porém, sabemos que na prática não funciona desta maneira, às vezes o sangue ferve e fazemos ou dizemos coisas que depois nos arrependemos.

Mas fique tranquila, você consegue aumentar o seu autocontrole, ter uma convivência amistosa com as pessoas e manter o foco nos seus objetivos com estas 5 dicas que separamos.

1.Reveja a sua infância

Na infância, somos “programados” para agir na sociedade quando adultos. E a maioria da nossa programação não é assimilada pelas palavras de nossos pais, mas pela observação dos seus comportamentos. Então é bem provável que uma pessoa impulsiva tenha um pai ou mãe que também o são.

Para descobrir se é o seu caso, faça uma lista dos gatilhos externos que provocam as suas reações impensadas ou exageradas como: alguém derrubar um copo no chão; o pedido da pizzaria que atrasa, uma toalha molhada em cima da cama…

Após identificar os gatilhos, lembre como você normalmente reage a eles e compare com a forma com que os seus pais faziam quando você era criança.

Se as respostas forem similares, provavelmente você está reproduzindo o comportamento dessas figuras de autoridade sem perceber.

A boa notícia é que, hoje, a autoridade da sua vida é você. Ninguém está condenado a reproduzir o comportamento dos pais para todo o sempre, você pode mudar!

2.Faça uma pausa

Na mente do impulsivo não há intervalo entre o gatilho e a reação, tudo acontece de forma instantânea.

O problema é que essa falta de espaço impede que a pessoa pense e escolha a melhor forma de lidar com aquela situação.

Este com certeza é um dos maiores desafios das pessoas impulsivas, mas com treino fica mais fácil se controlar nessas ocasiões.

Por exemplo, se alguém te dá uma fechada no trânsito, antes de baixar o vidro e xingar até a terceira geração da pessoa ou buzinar várias vezes tirando a paz de todo mundo que está na rua, pare e respire profundamente até a tensão sair do corpo.

Costumamos nos comportar segundo as pessoas à nossa volta. Se alguém fala de maneira grosseira, automaticamente queremos responder da mesma forma. No entanto, a não ser que você esteja correndo um perigo real, não precisa reagir imediatamente.

Você tem o direito de fazer uma pausa e refletir sobre a melhor maneira de se comportar diante das circunstâncias.

3.Pense no depois

É natural que nos momentos de raiva queiramos extravasar todas as emoções que estamos sentindo.

Mas será que vale a pena?

Por exemplo: o seu companheiro ou companheira toma uma atitude que te entristece.

Para algumas pessoas, isso já é o suficiente para começar um barraco, jogar na cara todas as falhas que a pessoa cometeu, as promessas que não foram cumpridas e as suas frustrações na relação.

Esta atitude pode até dar um alívio momentâneo, mas a pergunta que fica é: e depois? Será que a discussão não vai causar sofrimento no outro? Se sim, era isso que você queria?

Então antes de ceder ao impulso, pare por um segundo e pense: se eu fizer isso, quais serão as consequências?

4.O que você realmente merece?

Pessoas que agem por impulso tem uma dificuldade enorme de conseguir realizar os seus planos, pois as suas ações acabam as desviando dos seus objetivos.

Eu mesma tenho uma leve compulsão por doce, não posso passar em frente a uma padaria que já me bate a vontade de comer nem que seja um quindinzinho.

Este é um hábito ruim que tento mudar há muito tempo, afinal não é nenhum segredo o mal que o excesso de açúcar causa à saúde.

Para que o impulso não me domine, uma dica que ouvi de um terapeuta é: pensar no que eu mereço.

Pois, muitas vezes justificamos as nossas atitudes impulsivas com frases como: “eu trabalho tanto, mereço comprar uma blusinha nova”, “passei tanto estresse hoje, tenho direito a uma cervejinha” ou “fiz exercícios a semana toda,não tem problema comer um docinho”.

Mas o que você merece de verdade? Satisfazer um desejo momentâneo ou atingir seus objetivos e ter uma vida saudável e feliz?

5.Pratique meditação

Uma das razões para as pessoas agirem por impulso é desconhecerem os seus sentimentos, o que faz com que sejam dominadas pelas suas emoções.

Para diminuir os episódios de impulsividade, desenvolver a autoconsciência é um passo importante. Ela, facilita a identificação dos gatilhos que te levam a agir sem pensar.

A meditação auxilia no controle da sua ansiedade, libera as tensões e estresses acumulados no dia-a-dia e contribui para a autopercepção das emoções, o que aumenta o seu autocontrole nos momentos difíceis.

Mas lembre-se: controlar os impulsos não significa bloquear as suas emoções, o objetivo é ter maior controle das suas reações.

Algumas atividades possíveis que podem te ajudar são: yoga, meditação guiada e mindfulness. A meditação é uma solução eficaz e mais fácil do que a maioria imagina, veja este guia rápido:

Reserve alguns minutos (pode começar com apenas 3) do seu dia para praticar.
Escolha um lugar silencioso e confortável.Se quiser, você também pode ouvir músicas para ajudar a sua meditação: 

Feche os olhos e se concentre no seu corpo, na sua respiração, nas batidas do seu coração, perceba se algum membro do seu corpo está tenso ou doendo. Se pensar que tem algo errado não precisa corrigir nada, apenas sinta.

Os horários mais fáceis para praticar a meditação são ao acordar ou antes de dormir: a casa normalmente está mais calma e tem menos chances de você ser interrompida.

Fontes:

8 dicas para controlar a impulsividade


 

Autora
Lúcia Pego dos Santos

Tags:

Comentários

* Pergunta anti-Spam,

O seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios ;)

single.php

Mensagens do Bem

Que tal se inscrever na nossa news e receber mensagens transformadoras em primeira mão, no seu email?

© 2019 Refletir para Refletir.Todos os direitos reservados.